NOTÍCIAS FRESQUINHAS

Loading...

segunda-feira, 21 de julho de 2014

VI Concurso Prosa e Verso: Jofre Soares

Estão abertas as inscrições para o VI Concurso Prosa e Verso: Jofre Soares, organizado pela Academia Palmeirense de Letras, Ciências e Artes - APALCA, com sede na cidade de Palmeira dos Índios/AL, Nordeste do Brasil.
O folder, o Cartaz e a Ficha de Inscrição, podem ser acessados a partir do link da APALCA, ora apresentado.
Como explicitado anteriormente, o certame vem para homenagear o palmeirense Jofre Soares, ator de teatro e de cinema, ex oficial da Marinha do Brasil e Patrono da Cadeira de Nº 21, da referida Academia.
Jofre Soares. Imagem disponível em: educarparacrescer.abril.com.br

domingo, 20 de julho de 2014

Resumo 4: Capítulo I - Balanço do Neoliberalismo, de Perry Anderson


BORÓN, Atilio; SADER, Emir, GENTILI, Pablo. Pós-Neoliberalismo: as Políticas Sociais e o Estado Democrático.  Paz & Terra, 1995. 

I – Balanço do Neoliberalismo, de Perry Anderson

1. Quanto à entrada do Neoliberalismo nas sociedades de Capitalismo avançado:
Inicialmente é preciso falar que o dito fenômeno Neoliberalismo, surgiu logo após a Segunda Guerra Mundial, especialmente na região da Europa e da América do Norte, onde já imperava o Capitalismo, foi uma forte reação teórica e política contra a ação intervencionista do Estado de bem-estar social.
A economia nessas regiões passava por certas crises, então os teóricos do Neoliberalismo (Hayek e seus companheiros) diziam que essas crises estavam localizadas no poder excessivo dos sindicatos, da evolução do movimento operário e consequentemente na ação parasitária do Estado, quando aumentava cada vez mais os gastos sociais. E para eles o remédio era o seguinte: manter um Estado forte, rompendo com o poder dos sindicatos, controlar o dinheiro, reduzir os gastos sociais e as intervenções sociais. A estabilidade monetária deveria ser a meta suprema de qualquer governo. Para isso seria necessária uma disciplina orçamentária, com a contenção dos gastos com bem-estar, e a restauração da taxa ‘natural’ de desemprego e a criação do exército de reserva, principalmente para quebrar a força dos sindicatos.
É importante lembrar que o ideário do neoliberalismo havia sempre incluído, como componente central, o anticomunismo.
Os líderes de países com capitalismo avançado, através de ações Neoliberalista, contraíram a emissão monetária, elevaram as taxas de juros, baixaram drasticamente os impostos sobre os rendimentos altos, aboliram controles sobre os fluxos financeiros, criaram níveis de desemprego massivos, influenciaram greves, impuseram uma nova legislação anti-sindical e cortaram significativamente os gastos sociais. Exemplo, nos Estados Unidos, a prioridade neoliberal era a competição militar com a União Soviética, fracassa-la e assim derrubar o regime comunista da Rússia.
Menos audaciosos, os países europeus, com governo de direita e de fundo católico, realizaram um neoliberalismo mais cauteloso, mantendo a ênfase da disciplina orçamentária e nas reformas fiscais, sem cortar drasticamente os gastos sociais nem intervir muito contra os sindicatos.
Muitos países resistiram ao neoliberalismo, mas acabaram sendo envolvidos por ele, é o caso da França, que entre 1982 e 1983, viu-se forçado pelos mercados financeiros internacionais a reorientar-se pela política neoliberal e dar prioridade a estabilidade monetária.
Na verdade, em quase todas as experiências com neoliberalismo ocorria uma hegemonia dele enquanto ideologia a ser incorporada. Então o neoliberalismo havia começado tomando a social-democracia como uma inimiga central, em países de capitalismo avançado, provocando uma hostilidade recíproca por parte da social-democracia, apesar de que cedo ou tarde, até parte dos governos de social democracia se mostraram resolutos em aplicar esta política.
Nos anos 70 a prioridade do neoliberalismo era deter a grande inflação, mas isso não ocorreu naturalmente, muito menos em todas as experiências, muitas delas apresentaram percentual negativo. 
É interessante frisar que nos lugares em que as taxas de desemprego foram altas, houve um crescimento significativo do neoliberalismo e consequentemente do mercado. No geral, o programa neoliberal se mostrou realistas e obteve êxito. Mas todos os esforços implementados pelo neoliberalismo têm apenas um fim: a reanimação do capitalismo avançado mundial, restaurando taxas altas de crescimento, etc. Noutra perspectiva, reconhece-se que a desregulamentação financeira foi mais propícia à inversão especulativa, do que mesmo a especulativa. E apesar de algumas derrotas políticas, o projeto neoliberal continua a demonstrar uma vitalidade impressionante e se expressa até nos países em que seus governantes se assumem como opositores. E assim ele continua dando seus saltos de desenvolvimento, seja por políticas mais drásticas, seja pela queda de outras correntes, como o comunismo, a exemplo do que aconteceu na Europa Oriental (União Soviética).

2.   A entrada do Neoliberalismo na América Latina:
A América Latina é considerada como a terceira experiência de neoliberalismo, no mundo, onde ocorreram grandes cenas desta forma de política econômica.
Inicialmente aderiu a este projeto o Chile, que no governo de Pinochet começou seus programas: promovendo desregulação, desemprego massivo, repressão sindical, redistribuição de renda em favor dos ricos, privatização de bens públicos. Isso ocorreu certa de dez anos antes da experiência da Inglaterra e suas bases teóricas estavam mais para o paradigma norte-americano do que austríaco.
Esse neoliberalismo chileno pressupunha a abolição da democracia e a instalação de uma cruel ditadura militar.
Outros países latino-americanos que provaram desta experiência foram Bolívia, Argentina, México e Venezuela.
A América Latina também foi cenário para a difusão do neoliberalismo ‘progressista’, que mais tarde foi difundido no Sul da Europa.
Das quatro experiências, três tiveram êxito e uma não. A Venezuela não obteve êxito, a diferença é significativa: a condição política da deflação, da desregulamentação, do desemprego, da privatização era concentração de poder nos três países, exceto na Venezuela. Esta dose de autoritarismo não surtiu efeito na Venezuela, pois sua democracia partidária era contínua e sólida, mais do que qualquer outro país da América do Sul.
Mas o autor chama a atenção que seria arriscado concluir que somente regimes autoritários podiam impor com êxito políticas neoliberais na América Latina.
Mostra também que a região que mais avanços econômicos, apresentou nos últimos anos, é pouco neoliberal e corresponde as economias do extremo oriente: Japão, Coréia, Formosa, Cingapura, Malásia. Sendo que isso não anula todo potencial do neoliberalismo: trata-se de um movimento ideológico, em escala verdadeiramente mundial, uma doutrina coerente, autoconsciente, militante, lucidamente decidido a transformar o mundo à sua imagem, em sua ambição estrutural e sua extensão internacional.
Este é, portanto, um movimento ainda inacabado e que trilha pelas vertentes da economia, do social, do político e ideológico, trata-se de um movimento hegemônico, mesmo que milhões de pessoas ainda não acreditem em suas receitas e assim resistam aos seus regimes.

3.  Neoliberalismo no Brasil:
Iniciou-se juntamente com o processo de ditadura e dilapidação do Estado Brasileiro e prosseguiu sem interrupções no mandato de José Sarney. Essa dilapidação propiciou o clima para que a ideologia neoliberalista, encontrasse terreno fértil para uma pregação anti-social.
Outro governo que foi favorecido com esse clima de sociedade precária, foi Collor, que juntamente com os marajás, simbolizou a possível saída daquela situação em que se encontrava o Brasil: com má distribuição de renda, depredou a saúde, a educação e as políticas sociais. Porém, fatores mais adiante, fizeram com que a sociedade barrasse o governo de Collor e assim colocasse ‘um freio’ no avanço do neoliberalismo, que havia encontrado o cenário perfeito e uma nítida ofensiva na política ‘Colloriana’.
Desta inicial experiência pode-se concluir que ocorreu semelhante a países desenvolvidos, onde a economia se recupera e o social piora bastante. No Brasil ele age utopicamente e ataca as bases da esperança que se construiu nos anos mais duros, ataca o vigoroso movimento popular e metamorfoseia esse movimento esse movimento de esperança, num movimento de derrotismo. Destrói o princípio da esperança e abre as comportas para uma onda conservadora de que o Brasil não tem memória. Noutro aspecto, trás o medo da mudança, das experimentações.
Os objetivos, no Brasil, são os mesmos que nos países de capitalismo avançado: destruir a capacidade de luta e de organização que uma parte importante do socialismo brasileiro mostrou. Sua maior letalidade é a destruição da esperança e a destruição das organizações sindicais, populares e de movimentos sociais que tiveram a capacidade de dar uma resposta à ideologia neoliberal no Brasil.
JaloNunes.

quarta-feira, 9 de julho de 2014

Final da Copa do Mundo FIFA no BRASIL 2014

Imagem disponível em:www.techtudo.com.br
Estabelecidas as seleções que disputarão o título mundial (neste domingo, dia 13 de julho), sendo a Alemanha e a Argentina; bem como as seleções que disputarão os 3º e 4º lugares (no sábado, dia 12 de julho), o Brasil e a Holanda, podemos concluir que a Copa do Mundo no Brasil, não se mostrou nenhum pouco diferente do que estamos acostumados a ver aqui: corrupção desde dentro das Instituições Organizadoras; arbitragens ineficientes e responsáveis por inferir tendência nos resultados de partidas, além de uma série de outros fatores, tais como: seleções tidas como zebras, se comportando como verdadeiros elefantes; seleções detentoras de títulos mundiais sendo eliminadas sem mesmo poderem se achar em campo; arbitragens cumprindo recomendações da equipe de arbitragem da FIFA e "ajudando" a equilibrar as estatísticas da aplicação de poucos cartões (amarelos e vermelhos), bem como o baixo número de faltas cometidas, ora, se elas não são marcadas, não entram na estatística; etc.
Por fim, tivemos a decepção de ver uma seleção brasileira que chegou à semifinal aos empurrões,  sem empolgar ao torcedor, mas por outro lado, sendo sustentada pelo discurso falacioso da mídia e da equipe técnica da própria seleção, de que o Brasil seria campeão, sendo, na verdade, sacudida para a disputa do 3º e 4º lugares, através de uma goleada massificadora, imprimida pela Alemanha!
Ainda mais, um dos nossos maiores adversários (querem crer nisso) disputará a Grande Final, aqui, em nossa casa!

segunda-feira, 30 de junho de 2014

Poesia - Fascículos de Gramática


Abri a Gramática e...
Disponível em:
pensamentosporsandra.blogspot.com
Deparei-me com um Parônimo
E conhecimento eu “absorvi
Mas depois com certo recalque
A tentação diária, “absolvi".

Senti-me um real “cavalheiro
Mas aquela mocinha
Às etiquetas enxota,
Quando fiz papel de “cavaleiro”.

E como a perdoei?
Trafegando na rua a “cumprimentei
Mas, ela, desdenhando...
À nossa localização fez “comprimentos”.

Que inútil, pensei!
Não sabe usar-se de “discrição
Quisera ela ser cortês como o sou;
Ela só faz ações sem pensar, não “descreve”.

Quando aqui “imigrou
Não esperava nossa receptividade;
Quisera eu, agora “emigrar
Da convivência desta dona!

Mesmo que explore ótimo “fragrante
Assusta pela tenacidade,
Em ridículos e “flagrantes
Remete à situações de vaidade.

Tivesse eu um “fuzil
Engatilhava-o e usava-o
Porque é notadamente “fusível
A petulância do seu ser...

Ela precisa libertar-se
Das cinzas “emergir
E sua ação impensada “imergir
Tornando-se humanamente melhor!

Meus saldos vão a maior “inflação
Em detrimento dos seus caprichos
Porque ela é uma ambulante “infração
Sinônimos de gastos, de riscos...

E devido ao fato de “infringir
Ela causa-me dor de cabeça
Por isso terei que sobre ela “infligir
Caso eu queira viver sossegado!

Porque viver com ela é um “tráfico”;
Viver sem ela é um horror;
Já que é esse dialético “tráfego
Que nos faz morrer de amor!
JaloNunes.

sexta-feira, 20 de junho de 2014

Praia de Cruz Quebrada/Dafundo - Oeiras/ Portugal


A praia que ora destacamos nas fotos, pertence a região de Oeiras e é formada por duas regiões: Cruz Quebrada/Dafundo (entre outras de menor porte), incluídas a região metropolitana de Lisboa. É considerada freguesia desde 1993, desmembrada da freguesia de Carnaxide. Especialmente Dafundo foi famoso pela sua praia, que era um elegante destino turístico, em fins do século XIX.
A praia de Cruz Quebrada é uma beleza encantadora, possui algumas atrações turísticas (especialmente para a apreciação do mar), sua orla, bastante modificada, por causa da força das águas, obrigando a construção de algumas barricadas de concreto; ainda assim trata-se de uma praia muito bela... Como se pode ver nas fotos, nós a visitamos em um dia frio (nebuloso) e em um dia claro, com sol.